In-Forma-AÇÃO: Estimula-Ação motora na infância e adolescência

Categoria: Série In-Forma-AÇÃO | Publicado: segunda-feira, abril 5, 2021 as 05:00 | Voltar

 

Estimula-Ação motora na infância e adolescência

 

Por Fabiane Macedo*

Este texto é o segundo da série temática intitulada “In-Forma-AÇÃO: o que movimenta as atividades de esporte e lazer em MS”, que se trata de uma produção mensal de publicações produzidas pela equipe da Fundesporte. Essa escrita objetiva apresentar questões teóricas sobre os fatores que envolvem criança, adolescente e o esporte.

Infelizmente, ainda no século XXI, a temática criança, adolescente e desempenho esportivo carrega (pré)conceitos, inseridos e divulgados por pessoas que não estudam e/ou pesquisam o assunto. Fato que incomoda e atrapalha o planejamento de ações dos professores de Educação Física Escolar e, principalmente, dos treinadores que trabalham com a iniciação esportiva.

As perguntas mais frequentes a serem respondidas são: a) Qual a idade para iniciar no esporte?; b) Criança pode competir?; c) O treinamento esportivo influencia no crescimento ? Ou ainda: d) Qual é a frequência de um treinamento para crianças? Essas quatro perguntas possuem apenas uma resposta: depende.

De uma forma breve, este “depende” envolve outros questionamentos, tais como a) Quais são as exigências biomecânica, biológica e psicossocial desta prática esportiva realizada pela criança e/ou adolescente?; b)  Qual é o tipo de programa esportivo que estamos falando?; c) Qual é o estilo dos processos de estimulação, aquisição e especialização das habilidades motoras, do esporte? e d) Qual é a intensidade e a duração dessas atividades ao longo da vida destas crianças e adolescentes?

Podemos dizer que as perguntas devem ser respondidas pelo profissional responsável pelas crianças e adolescentes, o professor de Educação Física. As análises para cada resposta envolvem a complexidade e a organização do esporte, ou seja, o número de intervenientes exigidos que a criança e/ou adolescente precisa dominar para que possa realizar a prática; o processo de prontidão, desenvolvimento, aprendizagem e controle motor, da criança e/ou adolescente, que são interdependentes dos fatores de percepção, cognição e ação do desenvolvimento humano.

Deste modo, considerando as características inatas e as ambientais das crianças e adolescentes, que justificam a hereditariedade e as oportunidades, indicando a direção dos processos de maturação e crescimento físico, pode-se dizer que não se deve polarizar o desempenho esportivo por idade cronológica ou por características do desempenho adulto. Para finalizar, é importante reforçar que a hereditariedade determina o que a criança e/ou adolescente pode fazer, mas é o ambiente que possibilita o que esta/este fará. Sendo assim, o que cabe é oportunidade, encorajamento e a instrução para as práticas esportivas, e para as medidas das variáveis de desempenho esportivo de crianças e adolescentes.

 

______

* Fabiane de Oliveira Macedo é graduada em Educação Física e especialista em Motricidade Humana pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS); mestre em Ciência do Movimento Humano pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) e doutora em Educação pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB). Atualmente, é assessora especial da presidência da Fundesporte. 

Publicado por: Lucas Castro

Utilizamos cookies para permitir uma melhor experiência em nosso website e para nos ajudar a compreender quais informações são mais úteis e relevantes para você. Por isso é importante que você concorde com a política de uso de cookies deste site.